Olá, tudo bem?

Você designer, sabe o que são softwares com saída gráfica e qual usar em cada situação? Pois bem, se em algum momento você pensou no Photoshop é bom ler este artigo!

Não é incomum aqui na gráfica recebermos arquivos em Photoshop para impressão. Mas receber arquivos neste programa significa aumentar o prazo de produção, perda na qualidade final da impressão e a realização de um “cambalacho” para o fechamento do arquivo, visto que o Photoshop não é um programa para criar materiais impressos, pois ele não possui saída gráfica.

Você deve estar se perguntando, mas afinal, o que é saída gráfica? Pois bem, a saída gráfica é propriamente dito o fechamento de arquivo. A conversão do arquivo em .PS (postscript) ou PDF (geralmente as gráficas usam o PDF/X1-A).

O Photoshop é um excelente programa para a edição de imagens e criação de itens para a web, onde os arquivos gerados são o .PSD (arquivo nativo), .JPG, .PNG, .GIF etc, todos eles são arquivos de bitmap. O programa ainda não é capaz de criar arquivos vetorizados ou deixar o preto puro (somente no canal K). Além disso, o programa não consegue criar as marcas de corte e as sangrias. Por isso, se você utiliza este programa para criar qualquer tipo de impresso, mesmo que um singelo cartão de visitas, repense!

Outros programas que não devemos nem cogitar em usar para impressão offset são os programas do Office, como o Word, Power Point e Excel. Neste caso, além deles não terem saída gráfica, ainda trabalham com resolução abaixo de 300dpi’s (resolução mínima para offset) e com cores em RGB. Por isso, arquivos nestes formatos são úteis apenas para impressão doméstica, em impressoras a jato de tinta ou laser, nunca uma impressão com qualidade em máquinas offset.

Para qualquer criação de materiais gráficos, sugerimos o uso de programas como o Corel Draw, Illustrator e InDesign, principalmente. Há outros programas como o PageMaker (que foi descontinuado pela Adobe há mais de 10 anos e substituído pelo InDesign), Freehand, Quarkxpress, entre outros programas menos utilizado.

O InDesign é muito usado para materiais de múltiplas páginas, como catálogos, revistas, jornais, manuais, apostilas e tudo mais que possui mais do que 8 páginas encadernadas.

Já o Corel Draw e o Illustrator são programas vetoriais, ou seja, além de saída gráfica, conseguem trabalhar com vetores. São mais utilizados para arquivos como cartões de visitas, flyers, folders, cartazes, banners e criação de logotipos e identidades visuais.

Uma curiosidade interessante é que o Corel Draw permite fazer a montagem de arquivos diretamente em seu fechamento e o Illustrator não, por isso o Corel Draw acaba sendo o “queridinho” das gráficas e o Illustrator dos designers, que não costumam fazer o processo de fechamento de arquivo.

Os três programas mais comuns em design gráfico são capazes de trabalhar com sistemas de cores RGB, CMYK e Pantone, além das cores de registro para quando é necessário a montagem manual. Exportam em Postscript e PDF/X1-A e trabalham com os DPI’s necessários para a impressão offset.

Agora você já sabe: Photoshop só para tratamento de imagens e Office só para impressões domésticas. 

WhatsApp chat